terça-feira, 27 de fevereiro de 2007

Viajar na SATA (2)

Funchal – Lisboa
Ida a 8 de Março SE 460 – Volta a 15 de Março S4 461
Tarifa E (Candidato a Bilhete Electrónico)
Tarifa Público 150.00 + Taxa 39.49 + Taxa de Serviço 4.00 x 1 Adulto = 193.49

Ponta Delgada – Lisboa
Ida a 8 de Março S4 120 – Volta a 15 de Março S4 129
Tarifa E (Candidato a Bilhete Electrónico)
Tarifa Público 227.00 + Taxa 30.94 + Taxa de Serviço 4.00 x 1 Adulto = 261.94


68.45 € de diferença

Simulação de reservas feitas na página da SATA
com data escolhida tendo em conta passar um fim de semana nos destinos.

Viajar na SATA

Lisboa – Funchal
Ida a 8 de Março S4 461 – Volta a 15 de Março S4 460
Tarifa E (Candidato a Bilhete Electrónico)
Tarifa Público 150.00 + Taxa 39.49 + Taxa de Serviço 4.00 x 1 Adulto = 193.49

Lisboa – Ponta Delgada
Ida a 8 de Março S4 129 – Volta a 15 de Março S4 120
Tarifa E (Candidato a Bilhete Electrónico)
Tarifa Público 208.00 + Taxa 30.94 + Taxa de Serviço 4.00 x 1 Adulto = 242.94


49.45 € de diferença

Será também por esta diferença que a rota Lisboa-Funchal tem mais do dobro de passageiros que todas as rotas entre os Açores e Lisboa?

Presidente adjudica obras a Presidente

E perde mandato.

"O presidente da junta de freguesia de Arcas, Macedo de Cavaleiros, acaba de perder o mandato por ter adjudicado a si próprio obras da autarquia que dirige, disse hoje fonte ligada ao processo."

Excerto de notícia da Lusa

Governo liberaliza ligações aéreas para a Madeira

"Representantes da TAP, SATA Internacional e PGA estiveram ontem reunidos com Paulo Campos

Tráfego anual nas linhas regulares da Madeira para Lisboa e Porto cifra-se em pouco mais de um milhão de passageiros.
As rotas aéreas entre aeroportos do Continente e da Madeira serão liberalizadas anunciou ontem o Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações.Segundo o governo a decisão pretende «dinamizar a entrada de outras transportadoras nestas ligações aéreas", pelo que foi decidido também alterar as regras do subsídio às tarifas para residentes e estudantes, que passa a ser atribuído directamente ao passageiro"."


Excerto da notícia publicada hoje, no Diário de Notícias da Madeira

domingo, 25 de fevereiro de 2007

Mister Assessorado

Maria José Nogueira Pinto, em entrevista ao CM:

"...a Câmara de Lisboa transformou-se numa cotada do PSD-Lisboa, onde as diferentes facções ajustam contas, onde há vereadores com 32 assessores nos seus gabinetes.
– Quem são os vereadores?
– Por exemplo, o sr. vereador Sérgio Lipari tem 32 assessores. Isto para quê? Para organizar o seu tabuleiro de xadrez de Lisboa. Mas, entretanto, mata Lisboa. Acho isto surpreendente. E eu no meio também ia. Dava um jeitaço atirarem-me para o alto."

sábado, 24 de fevereiro de 2007

Num país normal...

"Num país normal Sócrates estaria no olho da rua", diz Jardim

E o que dizer de Jardim?

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

Surpresa

Usando o programa Google Earth, já é posível ver em imagem de alta definição, grande parte de Santa Maria e uma parte de São Jorge, onde se inclui a Vila das Velas. As restantes ilhas e locais nos Açores continuam sem tal sorte.

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2007

Porque nem só a mulher se pode queixar...

Ser homem é
- Sentir a dor física de uma bolada nos tomates;
- A tortura de ter de usar fato e gravata no Verão;
- O suplício de fazer a barba todos os dias;
- O desespero das cuecas apertadas;
- A loucura que é fingir indiferença diante de uma mulher sem soutien;
- A loucura de resistir olhar para umas pernas com uma mini-saia;
- Ir à praia e resistir olhar para aquele mulherão que está deitada ao lado;
- Viver sob o permanente risco de ter de andar à porrada;
- Vigiar o grelhador no churrasco ao fim de semana, enquanto todos se divertem;
- Ter sempre de resolver os problemas do carro;
- Ter de reparar na roupa nova dela;
- Ter de reparar que ela mudou de perfume;
- Ter de reparar que ela mudou a tinta do cabelo de Imedia 713 para 731 loiro/bege;
- Ter de reparar que ela cortou o cabelo, mesmo que seja só 1cm;
- Ter de jamais reparar que ela está com um pouco de celulite;
- Ter de jamais dizer que ela engordou, mesmo que seja a pura verdade;
- Desviar os olhos do decote da secretária, que se faz distraída e deixa a blusa desabotoada até ao umbigo;
- Ter a obrigação de ser um atleta sexual;
- Ter a suspeita de que ela, com todos aqueles suspiros e gemidos, só está a tentar incentivar-nos;
- Ouvir um NÃO, virar para o lado conformado e dormir, apesar da vontade de partir o quarto todo e fazer um escândalo;
- Ter de ouvi-la dizer que está sem roupa, quando o problema é onde colocar novos armários para guardar mais roupa;
- Ter de almoçar aos domingos na casa dos sogros, discutir política com aquele velho reaça, tratar bem os sobrinhos, controlar-se para não olhar para o decote da irmã dela e não arrear um arraial de porrada ao irmão dela, sacana do caraças que vem sempre pedir dinheiro emprestado.
Depois Elas ainda acham que é fácil, só porque NÃO TEMOS O PERÍODO...

(Este é um texto "geral", que me chegou por mail. Claro que nem todos se identificaram com TODOS os pontos aqui descritos, mas...)

"Evolution"

Hoje à tarde, como de costume, fui tomar café a um sítio onde estava alguém conhecido.
Com ele, outra pessoa que de cara não me era estranha, mas com quem nunca tinha falado.
Cumprimentei e quem me conhecia disse: "é o H. Blayer, conheces?";
Responderam "conheço, dos blogues".
É a evolução dos tempos.
Agora já não se conhece apenas "de vista", também se conhece dos blogues.
Achei piada.

(Evolution é o título de uma excelente música dos "The Cinematic Orchestra", banda que me enche as medidas.)

sábado, 17 de fevereiro de 2007

O drama do Jornalismo Desportivo

Há quem o considere como "parente pobre" do jornalismo: não acho. Desde que seja bem feito, bem explorado, como qualquer outra vertente jornalística, dá frutos.
Agora, ler coisas destas : "Postiga recupera uma bola perto da área navalista e passa de modo deficiente a Cech que consegue controlar a bola e na esquerda com o pé canhoto para Adriano que aparece em salto de peixe a cabecear, na pequena área, para o fundo da baliza" é dose...
É caso para dizer (e como o blogue é meu e eu sou um sacana egoísta) FODA-SE!

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2007

Já lá fui...

Fui ao Rotas. E gostei.
Da comida, do ambiente, da simpatia. Esta foi só a minha "primeira vez". Outras se seguirão.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2007

À boleia...

Aproveitando o Dia dos Namorados, que é um excelente pretexto para gastar dinheiro sem qualquer nexo, venho propor o seguinte:
Porque não assinalar outras datas tão ou mais importantes?
Exemplos?
O Dia dos Divorciados, onde o comércio podia aproveitar para vender presentinhos envenenados ou não e postaizecos a dizer "Gostaste? Eu também não" ou outros produtos indispensáveis;
O Dia dos Viúvos, onde o comércio aproveitaria para fazer florescer o negócio das coroas de flores e de estetostópios especiais para ouvir através de 7 palmos de terra e uns bocados de madeira.
O Dia da Unha Encravada, em que as clínicas privadas fariam descontos para desencravanços e outros tratamentos do género e o comércio inventaria tredúzias de produtos para aplicação pós-intervenção (cirúrgica ou não).
O Dia do Dia, onde as lojas tentariam impingir os mais pirosos calendários, agendas e afins.
O Dia do Animal de Estimação, onde seria um tal comprar ossinhos de brinquedo para cães e afiadores de unhas para gatos, entre outros acessórios.

E muitos mais dias seria possível enumerar e criar, desde que o comércio saísse a ganhar, obviamente.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2007

Ah pois SIM

Não era necessário, mas (quase) tudo o que li, ouvi e vi, escrito e dito pelos defensores do NÃO, leva-me a cada vez mais ter a certeza (que já cá andava) de votar SIM.
NÃO, obrigado pelo SIM.

domingo, 4 de fevereiro de 2007

César não soube explicar(-se) (?!?)

Recentemente, Carlos César veio dizer que com a aplicação do novo Quadro de Referência Estratégico dos Açores (QRESA), seria previsível que fossem criados até 2013, mais 4 mil novos postos de trabalho na região.
Hoje, pego no Açoriano Oriental e leio na última página que o Director Regional do Trabalho e Qualificação Profissional prevê que sejam criados entre 12 a 15 mil novos empregos nos Açores até 2013.
Obviamente, tendo conhecimento das declarações de Carlos César, este novo dado avançado por Rui Bettencourt despertou-me a curiosidade.
Afinal em que é que ficamos?
Por isso li a notícia na íntegra e fiquei a perceber.
Afinal, "sem desmentir o chefe do Executivo, o director regional referiu que César fez aquele prognóstico com base apenas nos fundos que virão para o arquipélago ao abrigo do programa comunitário FEDER".
Bom, das duas, uma: ou somos todos burros e não percebemos o que César disse, por isso Rui Bettencourt veio "traduzir" as palavras do chefe, ou então César não soube dizer o que queria...

sábado, 3 de fevereiro de 2007

É (também) por isto que gosto dos Açores

Não há rotina climatérica.
Cada inverno é diferente, nunca há uma estação igual. Às tantas, para quem estuda a meteorologia, existe um padrão, mas mesmo assim, duvido.
Facto é que no ano passado tivemos um inverno excelente.
Este ano, este inverno, tem chovido a sério.
Gostava de saber quantos litros por metro quadrado caíram até agora nesta ilha, durante os dias de inverno.
Não deve ser difícil de saber...

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2007

O Ziri foi ao óleo...

Pela segunda vez, o Ziri foi ao óleo da fritadeira (frio, obviamente)...
Algum dia eu teria um gato atinado? Impossível!






Esta terra é de gritos...

À porta do Coliseu estão dezenas e dezenas de pessoas, pelos vistos há cerca de 24 horas, à espera da sua vez para adquirir bilhetes para os bailes de carnaval e não estão com cara de incomodados com a demora...
Pergunto eu: e se fosse para marcar uma consulta no Centro de Saúde?

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2007

São seguidas

Como é, o governo vai buscar um barco com mais de 30 anos para o transporte marítimo de passageiros?
Mas isso não é contra as regras estabelecidas pelo próprio governo?
Quer-se dizer, anteriormente as empresas eram obrigadas a apresentar navios mais novos, mas agora, como é o governo a assegurar o transporte, já que a Transmaçor não conseguiu arranjar um segundo barco (com menos de 30 anos), já se pode ir buscar um barco com 30 anos ou mais?
Tanta asneira junta...